Jornal diariOnline Região Sul

Festival Internacional de Música do Algarve regressa com 20 concertos em agenda

O Festival Internacional de Música do Algarve (FIMA) regressa aos palcos da região em 2017, depois de uma ausência de oito anos, assinalando a sua 32.ª edição com um total de 20 concertos, entre março e maio.

A programação do festival, um dos mais antigos do país dedicado à música erudita, será diversificada, contando com concertos de agrupamentos e músicos a solo oriundos de países como Portugal, Espanha, Dinamarca, Reino Unido, Israel e França, entre outros, com programas de música orquestral, de câmara, coral e sacra.

Outros eventos farão também parte do FIMA, como o concerto-multimédia «Uma História da Trompa» pelo trompista Laurent Rossi, o bailado «Matrioska» com a Companhia de Dança do Algarve, e o jantar musical «Food Symphony», onde música e gastronomia se juntam para deleitar o público.

Ao todo, são cerca de 30 ensembles, solistas e maestros para interpretar obras de dezenas de compositores de diferentes estilos e épocas, desde o barroco (Vivaldi, Bach e Telemann), classicismo (Haydn, Mozart, Beethoven), romantismo (Schubert, Brahms, Dvorak, Tchaikovsky, Mussorgsky) até ao modernismo (Debussy, Schoenberg, Stravinsky, Prokofiev, Shostakovich), sem esquecer a produção contemporânea portuguesa, por Eurico Carrapatoso e Luís Carvalho, e a estreia absoluta de obras de Luís Soldado e Sérgio Azevedo.

O concerto de abertura do FIMA, intitulado «Ode à Alegria», está agendado para 18 de março, no Teatro das Figuras em Faro, com a Orquestra Clássica do Sul (OCS) dirigida pelo seu maestro titular, Rui Pinheiro.

Neste espetáculo, é apresentada, em estreia mundial, a obra «Eu.Rope» de Luís Soldado, onde o autor faz uma reflexão sobre o que é ser europeu, num mundo globalizado.

Beethoven é o compositor que se segue, com a monumental «Sinfonia n.º 9». À OCS, juntam-se aqui o Coro Sinfónico Lisboa Cantat e os solistas Carla Simões, Cátia Moreso, João Cipriano e Nuno Araújo Pereira para entoar a «Ode à Alegria» do poeta Schiller, que inspira esta obra.

O mês de março apresenta ainda dois concertos com a OCS, a 25 no Teatro Mascarenhas Gregório, em Silves, com o programa de música de câmara «Noite Transfigurada», e, no dia 31, o evento «Food Symphony», com o «chef» Osvalde Silva e a OCS no hotel Conrad Algarve (situado na Quinta do Lago, em Almancil), parceiro deste festival.

Em abril e maio, além da OCS, estão integrados na programação do FIMA a Academy of Ancient Music (Reino Unido), os pianistas Jean-Bernard Pommier e Constantin Sandu, o Coro de Câmara Lisboa Cantat, o Quarteto de Jerusalém (Israel), a Orquestra da Extremadura (Espanha), o Quinteto Carion (Dinamarca), a Companhia de Dança do Algarve, a Orquestra Metropolitana de Lisboa e o Quarteto de Matosinhos (Portugal).

Solistas como Rodrigo Gomes (violino), Nuno Inácio (flauta), Laurent Rossi (trompa), David Alonso (saxofone) e os maestros Vasco Pearce de Azevedo, Pedro Neves, John Avery, Rui Pinheiro e Álvaro Albiach completam a lista de nomes que passam pelo FIMA 2017.

O festival percorre a região algarvia, com eventos agendados para Faro, Silves, Lagos, Tavira, Loulé, Lagoa, Castro Marim, São Brás de Alportel e Albufeira, estando inserido igualmente no programa «365 Algarve».

Recorde-se, entre 1977 e 2009, o FIMA contou 31 edições, tendo cada uma delas incluído mais de vinte concertos realizados na região algarvia, nos quais participaram centenas de músicos nacionais e estrangeiros de grande renome e prestígio.

Os bilhetes para o FIMA estarão à venda a partir do final do mês de fevereiro, podendo ser adquiridos através da Internet e em pontos de venda, como a FNAC, e em alguns dos locais dos espetáculos.

Estará também disponível uma caderneta que dá acesso a vários concertos da programação do FIMA, com a vantagem de 20% de desconto em relação ao valor global desses espetáculos.

As informações completas sobre o festival estão disponíveis em www.fima.com.pt.

Comentários

comentários