Jornal diariOnline Região Sul

PSD/Algarve diz que SNS na região vai “de mal a pior”

A comissão política distrital do PSD/Algarve considerou que a visita da comissão parlamentar de Saúde ao Algarve, no princípio desta semana, confirmou os seus “piores anseios” sobre o atual estado do Serviço Nacional de Saúde (SNS) na região, que vai “de mal a pior”.

“[A visita] veio, uma vez mais, pôr a nu aquilo que o PSD/Algarve e os seus deputados eleitos à Assembleia da República tinham então afirmado: ‘Com este Governo, apoiado por esta “geringonça”, o SNS no Algarve não só não vai melhorar, como vai piorar.’ A realidade veio confirmar os nossos piores anseios”, salientou, em comunicado, a estrutura social-democrata.

O PSD/Algarve lembrou a promessa do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, de um novo modelo de gestão do SNS no Algarve, salientando que “continua sem anunciar uma data para o início da sua aplicação”.

“Uma atitude que se compreende, pois se não existe sequer um novo modelo no papel, como poderá o mesmo comprometer-se com a sua implementação? Mas essa é uma posição que o PSD/Algarve se recusa aceitar”, comentou a estrutura liderada por David Santos, lançando o repto ao PS para que apresente publicamente o “novo” modelo.

“O que move o PSD é a necessidade de se assegurar a acessibilidade aos cuidados de saúde e a garantia de que os mesmos são prestados com elevados padrões de qualidade a todos quantos no Algarve residem e que elegem o mesmo como destino de férias”, sublinharam os sociais-democratas.

O PSD recordou que quando assumiu responsabilidades governativas, entre 2011 e 2015, “os hospitais públicos da região se encontravam em situação de falência técnica”, situação que “foi necessário inverter”, comparando depois os indicadores de saúde regionais desse mesmo período com os dados atuais.

“Constatamos que o Centro Hospitalar do Algarve (CHA), de acordo com os dados oficiais da ACSS, datados de setembro último, atingiu o seu patamar mais baixo. Daqui se concluindo que a necessidade de recursos financeiros nos nossos hospitais e tão necessária quanto à capacidade e competência daqueles que são chamados a assumir responsabilidades na sua gestão. E no que ao CHA diz respeito os números falam por si”, frisou o PSD/Algarve.

Os sociais-democratas pretendem ainda que o ministro da Saúde se pronuncie “em definitivo” quanto ao destino do Centro de Medicina e Reabilitação do Sul (CMFRS).

“A atual indefinição quanto ao seu modelo gestionário tem levado a que muito dos seus profissionais se interroguem quanto ao seu destino profissional. É que sem profissionais qualificados, o funcionamento do CMFRS, dentro dos elevados padrões de qualidade a que habituaram os algarvios, deixará de ser uma realidade”, concluiu o PSD/Algarve.

Comentários

comentários