Jornal diariOnline Região Sul

Algarve: Segurança nos meses de verão conta com reforço “bastante substancial”

A ministra da Administração Interna assegurou ontem, terça-feira, que o dispositivo de segurança e proteção civil para o verão no Algarve vai contar com um “reforço bastante substancial”.

“É preciso destacar os programas de policiamento de proximidade e a cooperação com forças policiais estrangeiras. Mas não é só pela quantidade, é também é uma questão de qualidade, que se reflete no patrulhamento e na formação dos nossos agentes policiais”, salientou Constança Urbano de Sousa, à margem da apresentação do programa «Algarve Seguro 2017».

Na iniciativa, realizada na sede da Região de Turismo do Algarve, em Faro, foram apresentados os dados relativos ao reforço dos dispositivos operacionais das forças e serviços de segurança e dos agentes de proteção civil (PSP, GNR, SEF, ANPC).

No seu discurso e na conversa com os jornalistas, a ministra salientou a descida dos números da “criminalidade geral e da criminalidade participada” nos últimos anos, mas esse cenário não corresponde à realidade no caso do Algarve, que em 2016 contabilizou uma “ligeira” subida da criminalidade.

Segundo os dados do comando distrital da PSP, no Algarve, a criminalidade geral e a criminalidade violenta e grave subiram 7,3% e 14,4%, respetivamente, entre 2015 e 2016, registando-se um acréscimo de 7,3% no número de detidos.

A nível nacional, Constança Urbano de Sousa destacou o estudo recente da ONU que coloca Portugal como o terceiro país mais pacífico do mundo, sendo ultrapassado apenas por Islândia (1.º) e Nova Zelândia (2.º).

Os números do dispositivo de segurança e proteção civil para o verão algarvio

Quanto ao dispositivo de segurança no verão algarvio, a GNR, que conta com um efetivo de 1270 militares na região - mais 305 em três unidades especiais -, vai somar-lhes 193 operacionais de forma permanente, entre 9 de junho e 11 de setembro, e outros 450 militares em eventos de grande dimensão ou com maior afluência de pessoas: 160 militares estarão, por exemplo, a patrulhar mais uma Concentração de Motos, em Faro, em julho.

Entre o contingente permanente, destaque para duas equipas de intervenção de 30 militares com o apoio de oito viaturas, 12 militares da Tourist Support Patrol e oito viaturas de apoio, seis equipas de cavalaria, cinco brigadas cinotécnicas (homem e cão) e 110 guardas provisórios, em estágio.

No âmbito do acordo de cooperação transfronteiriça em matéria policial e aduaneira entre Portugal e Espanha, estão previstos 120 ações de patrulhamento conjunto com a Guardia Civil espanhola nos dois lados da fronteira, entre 1 de julho e 31 de agosto, para além da presença de militares franceses da Gendarmerie no Algarve.

O tenente-coronel Carlos Alves, diretor de Operações da GNR, destacou ainda a criação do primeiro posto de apoio e atendimento ao turista da GNR, situado em Albufeira, para “melhorar o atendimento, acolhimento e encaminhamento” dos turistas.

Quanto à PSP, que tem um efetivo total de 879 agentes e 16 equipas de unidades especiais, contará, entre junho e setembro, com 29 equipas do Corpo de Intervenção e quatro equipas de Prevenção e Reação Imediata (duas em Faro e duas em Portimão).

O subintendente Norberto Rodrigues explicou ainda que os meios normalmente afetos a «Escola Segura» são reafectados neste período, para ciclo-patrulhas, postos de atendimento turístico e o projeto «Algarve Destino Seguro».

O reforço da prevenção criminal e da fiscalização e prevenção rodoviárias, o policiamento orientado e de visibilidade (aeroporto, zonas balneares, espaços de diversão noturna, centros históricos, comércio e terminais de transportes) e o policiamento de proximidade são os principais eixos de atuação da Polícia de Segurança Pública.

Prevenção da sinistralidade com maior foco sobre os motociclistas

Por outro lado, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que tem 37 elementos na região, anunciou o reforço de 50% dos operacionais no Aeroporto de Faro e a duplicação do número de elementos nos controlos móveis junto à fronteira, enquanto a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) vai apostar na prevenção da sinistralidade de motociclos e bicicletas com campanhas de sensibilização específicas.

O diretor da ANSR, Jorge Jacob, apontou a EN125 como o principal «ponto negro» no Algarve, revelando que, a partir de 20 de junho, estarão ativos três radares, em Lagoa, Albufeira e Faro.

Por fim, o comandante operacional distrital da Autoridade Nacional de Proteção Civil, Vítor Vaz Pinto, que já tinha apresentado, em maio, os números do dispositivo de combate a incêndios, informou, noutro nível, que a Cruz Vermelha Portuguesa vai instalar 32 apoios de praia como reforço para os meses de verão, enquanto o INEM contará com mais uma moto - em Portimão - e dois desfibrilhadores automáticos externos (DAE), que serão colocados nas ilhas da Armona (Olhão) e de Tavira.

Comentários

comentários