Filhos menores passam a poder ter presença de um dos pais durante anestesia no Bloco Operatório e no recobro

“A ansiedade da criança ou jovem e da família tendem a diminuir quando existe suporte emocional”, fundamentou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, num despacho que vem instituir este direito e que é publicado esta quarta-feira em Diário da República, para que as crianças e jovens com idade inferior a 18 anos que forem sujeitas a cirurgias passam a poder ser acompanhadas no bloco operatório no início da anestesia por um dos pais, ou alguém que os substitua, passando a ser também permitida a presença de um acompanhante mais tarde, no momento do recobro.

A notícia foi hoje avançada pelo jornal Público, salientando que os hospitais onde são efectuadas cirurgias em idades pediátricas têm agora cinco meses – até ao final do ano – para avançarem com as medidas de adaptação necessárias para que este despacho seja cumprido. Mas será sempre necessária a autorização prévia dos médicos responsáveis pela cirurgia e anestesia, especifica o diploma a que o citado jornal teve acesso.

Pub

Na segunda parte da notícia, é descrito que o direito genérico dos doentes ao acompanhamento está previsto na legislação que define os direitos e deveres dos utentes dos serviços de saúde desde há anos. Mas a lei acentua expressamente que é “vedado ao acompanhante assistir a intervenção cirúrgica”, excepto se para tal for dada “autorização do clínico responsável”.

Agora, pretende-se abrir esta possibilidade em momentos específicos das intervenções cirúrgicas nas crianças e jovens, mas não só – prevê-se que passem igualmente a beneficiar do direito de acompanhamento durante a anestesia e no momento do recobro os adultos com deficiência ou em situação de dependência, “com as necessárias adaptações”, é o que o diploma prevê.

E, para materializar este novo direito, é estabelecido que, quando uma equipa decide que um menor vai ser operado, “o cirurgião e o anestesista responsáveis devem providenciar para que se reúnam as condições adequadas”. (sic)

(in Público -  2 de Agosto de 2017, 7:24)

Pub

Pub
Artigos Relacionados
Água sem fronteiras passa por Albufeira
Lagoa iluminou-se de azul
Mais em Saúde
Varíola dos macacos: Dinamarca e França avançam vacinação

As autoridades de saúde francesas recomendaram esta terça-feira o início da vacinação dos contactos de…

Argentina perante o primeiro caso suspeito de varíola dos macacos

Nenhum caso positivo confirmado da doença foi registado na América Latina até ao momento O…

Portugal é o primeiro país a sequenciar genoma do Monkeypox

Vírus está na origem de um recente surto que afeta vários países onde a infeção…

Monkeypox
Novos casos confirmados do vírus Monkeypox chegam ao Algarve

O número de casos confirmados do vírus Monkeypox subiu hoje para 37, distribuídos pelas regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Norte e Algarve,