Almargem alerta para “atentados” contra o coberto vegetal tradicional no sotavento

A associação ambientalista Almargem alertou para os constantes “atentados” contra o coberto vegetal tradicional, uma das áreas-chave para a classificação da dieta mediterrânica como património da humanidade, em vários pontos do sotavento algarvio.

Segundo os ambientalistas, nos últimos anos, o Vale da Asseca, incluído no Aproveitamento Hidroagrícola do Sotavento, tem sido um dos alvos principais desta “maré sempre crescente de destruição da paisagem mediterrânica ancestral”, com “sucessivos terraceamentos das encostas e ripagens de alto-abaixo dos cerros”, essencialmente para cultivo de laranjais e vinha.

Pub

Também os casos da Torre d’Aires - sítio arqueológico romano que “tem vindo a ser arrasado desde há décadas para fins agrícolas de caráter intensivo, com a complacência das autoridades” -, do sítio da Fábrica - em que foram, há algum tempo, “abatidas várias oliveiras e alfarrobeiras centenárias” -, e do sítio da Balieira - em que “mais uns largos hectares de amendoeiras, alfarrobeiras, figueiras e oliveiras (algumas das quais de grande porte e respeitável idade) estão a ser dizimados” -, são citados pela Almargem, em comunicado.

A Associação Almargem “repudia profundamente esta situação de «vale tudo», a qual considera inaceitável”, apelando às autoridades que assumam uma “atitude mais ativa e crítica no que respeita ao incremento dos projetos de produção agrícola não tradicional, em detrimento de áreas com vegetação natural, pomares de sequeiro e outros terrenos de cultivos tradicionais, que devem ser preservados”.

Os ambientalistas exigem ainda que a Assembleia da República e o governo procedam a uma alteração legislativa para a reversão do regime de exceção “obsceno” dos Perímetros de Rega e Aproveitamentos Hidroagrícolas, “cuja manutenção, tal como está, se revela lesiva do património natural e da identidade paisagística da região”, sustentam.

Caso as entidades referidas “nada façam e esta situação se mantenha inalterada”, a Associação Almargem promete elaborar um dossiê “que inclua os mais recentes atentados aí perpetrados”, para enviar à consideração do Comité do Património Mundial da UNESCO.

Pub

Pub
Mais em Ambiente
Culatra
Protótipo de dessalinização não intrusiva para a Ilha da Culatra vence concurso

O projeto «Culatra2030 – Non intrusive water desalination», coordenado por investigadores do Centro de Investigação Marinha e Ambiental

Aspirante Geoparque apresenta “Plantas Invasoras” nas escolas de Albufeira

O aspirante Geoparque Algarvensis, constituído pelos municípios de Loulé, Silves e Albufeira, assina a ação…

Loulé: Conselho de Ação Climática com novas sinergias

Passados dois anos, o Conselho Local de Acompanhamento da Ação Climática do Município de Loulé,…

Loulé adere à “Semana das Espécies Invasoras”

De 22 de maio a 3 de junho, o Município de Loulé envolve-se na realização…