Jornal diariOnline Região Sul

Algar dá a mão ao projeto nacional “A Pescas por um mar sem Lixo”

A Algar - Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos, S.A. é responsável pelo tratamento, valorização dos resíduos urbanos produzidos nos Municípios do Algarve, associa-se à Docapesca Portos e Lotas, S.A., a qual tem em curso o projeto "A Pesca por um Mar sem Lixo", cujo objetivo é combater uma das principais ameaças à preservação dos recursos e ecossistemas marinhos – precisamente o lixo marinho.

A iniciativa está integrada num dos compromissos voluntários de Portugal, assumido pelo Ministério do Mar, no âmbito do Desenvolvimento Sustentável 14-Oceanos, que tem como propósito:

· Melhorar a gestão de Resíduos a bordo das embarcações de pesca;

· Sensibilizar e apoiar os pescadores na adoção de boas práticas ambientais da zona costeira portuguesa;

· Preservar os ecossistemas marinhos;

· Promover a recolha dos resíduos gerados a bordo e capturados nas artes de pesca e disponibilizar infraestruturas adequadas para a sua receção.

Este projeto visa unir pescadores e portos na melhoria das condições ambientais da nossa zona costeira, em que  a Algar é parceira da iniciativa na região no Algarve, através da disponibilização de contentores de 120L ao Núcleo Piscatório da ilha da Culatra, para a deposição dos resíduos recicláveis recolhidos no mar pelos pescadores (copos e sacos de plástico, pacotes de bebidas, latas e esferovite).

Os resíduos, recolhidos no mar ou produzidos nas embarcações são encaminhados para terra pelos pescadores, que os colocam nos contentores da Algar, cabendo à Fagar encarregar-se depois de fazer o transporte separadamente de todos os resíduos (recicláveis e não recicláveis) da ilha da Culatra para as instalações da Algar, onde recebem o tratamento adequado.

Para além da Docapesca, da Algar e da Fagar, os restantes intervenientes neste processo são a Associação Moradores da Culatra, a Associação Portuguesa de Lixo Marinho e a Câmara Municipal de Faro.

 

Saliente-se que o projeto arrancou na Culatra, no passado dia 21 de agosto, com 102 aderentes (embarcações, viveiristas e mariscadores), um resultado substancialmente superior ao alcançado em Peniche, local onde foi lançado o projeto piloto desta iniciativa e que conta atualmente com 66 aderentes. A Docapesca pretende fazer a monitorização trimestral junto dos pescadores para acompanhar a evolução e o grau de aderência à campanha.

Saliente-se que a iniciativa contou com a presença da Ministra do Mar Ana Paula Vitorino, o Secretário Estado das Pescas José Apolinário, Miguel Lisboa Presidente da Algar, Teresa Coelho Presidente da Docapesca, Rogério Bacalhau Presidente da Câmara Municipal de Faro, Silvia Padinha Presidente da Associação de Moradores da Culatra e Sofia Quarema representante da Associação Portuguesa do Lixo Marinho, entre outras entidades locais.

Todos os anos milhões de toneladas de lixo chegam aos oceanos, sendo a atividade piscatória muito afetada devido a danos nas artes de pesca e embarcações e à redução das capturas decorrentes da pesca-fantasma, em que as redes e armadilhas perdidas ou abandonadas levam ao contínuo aprisionamento e morte de peixes e outras espécies marinhas.

Importa destacar que o lixo marinho: pode matar  ou ferir animais marinhos; pode afetar a saúde humana; prejudica economicamente a pesca e o turismo; é composto na sua grande maioria por plástico; tem origem principalmente em atividades terrestres; e pode permanecer nos oceanos por centenas de anos.

O lixo marinho é sem margem para dúvida um problema social no qual as decisões e os comportamentos individuais e dos diferentes setores desempenham um papel crucial para a sua resolução, pelo que este projeto vem atuar a dois níveis: na prevenção da entrada de lixo no meio marinho e na remoção do lixo marinho dos Oceanos, sendo a colaboração entre pescadores, respetivas embarcações e portos de pesca é importante para uma maior sensibilização ao nível das comunidades costeiras, piscatórias e promoção da corresponsabilização de todos aqueles que estão envolvidos direta ou indiretamente neste problema.

Sobre a ALGAR

A ALGAR, Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos, S.A. é responsável pelo tratamento, valorização dos resíduos urbanos produzidos nos Municípios de Albufeira, Alcoutim, Aljezur, Castro Marim, Faro, Lagoa, Lagos, Loulé, Monchique, Olhão, Portimão, São Brás de Alportel, Silves, Tavira, Vila do Bispo e Vila Real de Santo António.

Comentários

comentários