Jornal diariOnline Região Sul. O seu portal de notícias Algarve e Alentejo Portugal

Estudo: Portugueses mais otimistas com o futuro do país

Os resultados do recente estudo do Observador Cetelem Consumo 2017 indicam que os portugueses estão mais otimistas com o seu país, num período em que a generalidade dos cidadãos europeus está bem mais apreensiva com o futuro nos próximos dois anos.

32% dos portugueses acham que o país vai melhorar ou melhorar ainda mais, sendo que em média, o otimismo dos 15 países inquiridos não ultrapassa os 19%. Só os espanhóis parecem estar tão otimistas quanto nós, os mesmos 32%, enquanto os alemães parecem mais pessimistas, pois não mais de 10% afiançam acreditar na melhoria do seu país. Quanto aos consumidores pessimistas, 32% dos portugueses mostram-se descrentes no futuro do país nos próximos anos, ainda assim, bem abaixo da média europeia, que é de 45%. Húngaros, com 55%, belgas e austríacos, ambos com 54%, são os que se mostram mais pessimistas.

Relativamente a fatores que inibam os portugueses de efetuar as suas compras, a falta de meios, mencionada por 59% dos inquiridos, a necessidade de poupar para eventuais casos de emergência, 45%, e dúvidas sobre a evolução do país, em 32% dos casos, são os motivos mais comuns. A isto, junte-se a perceção por 70% dos consumidores nacionais que os preços subiram no último ano, um valor muito próximo da média do estudo, que é de 71%.

Em geral, os portugueses sentem que o país é seguro. Apenas 4% mencionam a importância de passar a mensagem que não existirão mais ameaças terroristas (contra a média do estudo, que é de 23%), enquanto 10% esperam uma referência que assegure a diminuição da insegurança (face aos 20% entre os países inquiridos pelo estudo). Outros aspetos que poderão transmitir maior confiança no futuro do país são a diminuição do desemprego, mencionado por 52% dos inquiridos nacionais, bem como um retrocesso nas desigualdades sociais, para 44% dos consumidores nacionais.

Em suma, de acordo com 73% dos portugueses inquiridos, para que a sua confiança cresça é fundamental que a economia seja mais próspera, 57% esperam um aumento nos rendimentos e 51% referem uma maior igualdade social. A título de exemplo, na média dos 15 países que integram o estudo, os aspetos mais mencionados são o aumento dos rendimentos (55%), uma economia mais próspera (54%) e a igualdade social (40%). Verifica-se que, apesar de possuírem características próprias, os povos europeus não diferem muito quanto ao que lhes poderá trazer maior confiança relativamente ao futuro.

Sobre o Estudo

O Observador Cetelem Consumo na Europa: Novos Caminhos para a Confiança 2017 foi realizado em 15 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Espanha, França, Hungria, Itália, Polónia, Portugal, República Checa, Roménia, Reino Unido e Eslováquia; 800 Inquiridos por país, exceto em França onde foram inquiridos 1 000 indivíduos. O inquérito qualitativo foi realizado em dezembro pela Kantar TNS junto de 20 convidados para falarem durante 8 dias (de 5 a 12 de dezembro de 2016) num fórum online.

Este estudo foca uma questão crucial: A confiança gera crescimento ou o crescimento convida à confiança? A sua análise faz-se sob quatro grandes premissas: a) componente pessoal e o país b) confiança interpessoal; c) institucional; d) económica.

Exit mobile version