Jornal diariOnline Região Sul

Festival do Contrabando volta a unir as duas margens de fronteira

O Festival do Contrabando decorre entre amanhã e domingo, dias 23 a 25, e volta a propor, como proposta principal a todos os visitantes, a travessia pedonal do rio Guadiana, entre Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana.

A ponte flutuante é concretizada pela empresa Cubisystem, empresa francesa criada em 1985, uma empresa de relevo na sua área de atividade: a conceção, produção e montagem de pontões flutuantes, que realiza trabalhos em todos os continentes.

A estrutura que ligará Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana nos dias do Festival utilizará 1680 cubos, criando uma extensão de 225 metros para a travessia do rio Guadiana.

A ponte pedonal, que necessitou de quatro camiões de grande dimensão para o transporte da estrutura até Sanlúcar de Guadiana, está a ser montada por uma equipa de 12 pessoas, que durante três dias executam a sua construção e asseguram a segurança da mesma com a colocação de 24 âncoras mais cabos de sustentação, que permitem estabilidade.

A realização deste festival integra-se numa estratégia de desenvolvimento turístico do concelho, assente na promoção do património natural, histórico, gastronómico e cultural.

Contrabandistas, guardas-fiscais e carabineiros, vendedores ambulantes e mestres de outros ofícios apresentam as mercadorias às gentes da terra, as vivências nas tabernas a sátira social e troca de informações os jogos populares e rixas de cajados entre outros personagens que povoarão as ruas, as individualidades, que hoje fazem parte da história, ganham nova vida e dão-se a conhecer permitindo aos visitantes viajar no tempo, e reviver a história da região da raia do Guadiana.

A programação do evento, que prima pela recriação histórica e destaca as artes de rua, apresenta duas estreias em Portugal, com os artistas Chacovachi, um palhaço e bufão argentino, que apresenta, em estreia em Portugal, o espetáculo «Cuidado! Um palhaço mau pode arruinar a tua vida», e Adam Read, um artista sem fronteiras que trabalhou no Cirque du Soleil, que traz algumas das suas personagens a Portugal pela primeira vez.

A realização de espetáculos de rua (música, artes circenses, teatro), com artistas de âmbito nacional e internacional, de qualidade e de referência, e os palcos distribuídos pela zona histórica das duas vilas, em zonas de relevante interesse cénico, são atrativos para a visita.

Pelas ruas, encontram-se também o mercado de ofícios, a feira, numerosos artistas em movimento, tabernas e barraquinhas com a gastronomia local.

O programa do evento apresenta ainda com espetáculos musicais, arruado, desfiles etnográficos, workshops, exposições, encontro de Poesia Popular, concurso de fotografia e as Jornadas do Contrabando.

Os espetáculos musicais decorrem nas três noites do evento, apresentando na sexta-feira, 23, o concerto com Fado Violado, no sábado, 24, o concerto com Roncos do Diabo e no domingo, 25, o concerto com as Moçoilas.

A edição deste ano reunirá cerca de 50 propostas, entre música, artes circenses, artes plásticas, teatro, que darão largas à imaginação, evocando vários temas ligados ao património sociocultural e às tradições da região de Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana, no contrabando e na sua importância para a região.

“É um orgulho para Alcoutim ser palco, pelo segundo ano consecutivo, daquele que é considerado um dos festivais com identidade própria, que a nível nacional reúne, uma vez mais, artistas nacionais e estrangeiros reconhecidos nas artes de rua, além de criar a ligação física entre a Vila de Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana através da ponte pedonal”, sustenta, em comunicado, o presidente da Câmara Municipal de Alcoutim, Osvaldo Gonçalves.

O autarca quer continuar a elevar o evento, “criando um evento âncora” para a região e contribuindo “para a promoção de Alcoutim no contexto nacional e internacional”.

Para mais informações sobre o evento, está disponível o sítio http://cm-alcoutim.pt/pt/pt/agenda/3601/festival-do-contrabando.aspx.



Comentários

comentários