Câmara vila-realense em rutura financeira

A Câmara Municipal de Vila Real de Santo António mantém-se em rutura financeira, de acordo com o relatório de Execução orçamental da Administração Local 2017, divulgado esta semana pelo Conselho de Finanças Públicas, mas a maioria PSD diz que o documento “não reflete” a realidade.

De acordo com o relatório, a autarquia algarvia integra o grupo de cinco municípios com rácios de dívida superiores a 300%, a par de Cartaxo, Fornos de Algodres, Nordeste e Vila Franca do Campo.

Pub

A situação de rutura financeira é definida pela Lei das Finanças Locais como a existência de um rácio da dívida total superior a 300%, ou seja, uma dívida superior, em três vezes, à média da receita corrente líquida nos três anos anteriores, neste caso de 2014 a 2016.

Em comunicado, a autarquia liderada por Conceição Cabrita salientou que está a desenvolver um conjunto de medidas de contenção financeira, há vários anos, com vista a reduzir a sua dívida e que o relatório se refere a anos que “não refletem, de forma real”, essas medidas.

“O município de VRSA encontra-se, neste momento, em renegociações com a banca para diminuir as taxas de juro dos empréstimos contraídos, situações que outros municípios em situação análoga de saneamento financeiro já resolveram”, acrescentou a maioria PSD, salientando que grande parte da dívida da autarquia está consubstanciada em investimento e em despesas de capital.

“Só nos últimos 12 anos, a autarquia de VRSA aumentou o seu património de 15 para 200 milhões de euros, valorizando os seus ativos”, ressalva o executivo liderado por Conceição Cabrita, frisando o investimento em várias áreas.

Pub

A autarca social-democrata refere ainda que “os anteriores executivos deixaram tudo por fazer em matéria de abastecimento e saneamento de águas residuais” e que “herdou dos mandatos socialistas uma pesada dívida”, tendo sido “necessário” a autarquia endividar-se em cerca de 60 milhões de euros para “resolver” essas situações.

O PS/Vila Real de Santo António reagiu às acusações, salientando que a análise do CFP “não podia ser mais esclarecedor[a] sobre a gestão irresponsável, demagógica e populista do PSD” e “veio dar razão às denúncias” que os socialistas têm feito ao longo dos últimos anos.

“O PSD e os seus dirigentes prometeram em 2005 colocar VRSA no top e conseguiram! O problema é que colocaram-nos no top não dos melhores mas dos mais endividados”, acrescenta o PS, manifestando surpresa por a maioria social-democrata ter atribuído as culpas da dívida à gestão de um executivo “que terminou as suas funções há mais de 12 anos”.



Pub
Mais em Economia
Inflação atinge recorde de 8,1% na UE

Taxa de inflação homóloga da zona euro manteve-se estável nos 7,4% em abril, face a março, segundo informa o Eurostat.

Lagos recebeu empresários brasileiros com vista a futuras parcerias

A cidade de Lagos foi um dos pontos de passagem da delegação da missão ACIB…

Associação Empresarial de Sines e Porto de Luanda assinam protocolo

A Associação Empresarial de Sines (AES) e o Porto de Luanda assinaram um Protocolo de…

AHETA
AHETA e Aviludo firmaram parceria estratégica

A AHETA – Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve e a Aviludo firmaram uma parceria estratégica que visa reforçar a