Jornal diariOnline Região Sul

Turismo do Algarve repudia decisão da Agência Portuguesa do Ambiente

Costa Vicentina

A Região de Turismo do Algarve (RTA) lamentou hoje a decisão da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) em “negligenciar os riscos e impactos negativos” que a prospeção de petróleo ao largo de Aljezur poderá acarretar.

“A decisão anunciada em conferência de imprensa coloca em risco a população do Algarve, acarreta um impacto negativo no turismo e os riscos sísmicos tornam-se mais notórios”, refere a instituição, em comunicado.

Recorde-se, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) anunciou ontem, dia 16 de maio, que decidiu dispensar a operação de prospeção de petróleo ao largo de Aljezur da realização da avaliação de impacto ambiental (AIA).

“O projeto não é suscetível de provocar impactes negativos significativos, pelo que, nos termos da lei, não carece de Avaliação de Impacte Ambiental”, salientou a APA, no parecer técnico sobre a pesquisa do projeto designada por Santola 1X.

O consórcio Eni/Galp poderá assim avançar para a prospeção de petróleo, a partir de setembro, depois de preparar a operação num período estimado de três meses, numa zona a cerca de 40 quilómetros a oeste de Aljezur.

A RTA sublinha que a operação vai requerer a utilização de substâncias tóxicas e métodos que podem prejudicar gravemente a saúde humana e ambiental.

“O Algarve, que é um território tão natural, com uma população tão acolhedora que recebe todos os meses milhares de turistas, não merece ser desconsiderado. Rejeitar uma avaliação de potenciais riscos de perfuração é negar a importância que a população tem para um país. É uma afronta o governo compactuar e negar a existência de impactos negativos não só para o ambiente, mas também para os habitantes do território algarvio”, sustentou Desidério Silva, presidente da RTA, em comunicado.

A RTA considera que esta decisão é “totalmente errada” e teme que esteja a ser posta em causa o seu ideal de destino natural, “que prima pela segurança, pela qualidade das suas infraestruturas e pela excelência da sua oferta”.



Comentários

comentários