Jornal diariOnline Região Sul

Ministério da Agricultura avalia no terreno prejuízos dos agricultores afetados pelo incêndio

(Foto: Luís Silva)

O Ministério da Agricultura, através da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAP/Algarve), está a efetuar o levantamento dos prejuízos agrícolas e pecuários nas explorações afetadas pelo incêndio de Monchique.

Este processo “é essencial para a definição das medidas de apoio a desencadear” pelo governo, pelo que as declarações que nesta fase são apresentadas não constituem qualquer candidatura aos apoios que venham a ser disponibilizados.

“O processo agora em curso não dispensa a apresentação posterior de uma candidatura formal”, reforça o ministério, em comunicado.

Depois de feito o levantamento dos prejuízos, a fase seguinte deste processo é a definição das medidas de apoio e a abertura oficial do processo de candidaturas, na qual o governo se encontra já a trabalhar, “com o objetivo de dar início ao processo de recuperação o mais rapidamente possível”.

Antes de iniciar o processo de levantamento de prejuízos, na sexta-feira, foi recolhida informação junto dos municípios de Monchique, Silves e Portimão e das juntas de freguesia cujos territórios foram percorridos pelo incêndio.

Tendo em conta a dimensão do território afetado, o Ministério da Agricultura conta com a colaboração das autarquias locais neste processo, através da disponibilização de meios de atendimento ao público.

Em cada uma das juntas de freguesia estão presentes dois técnicos do Ministério da Agricultura para apoiar os agricultores no preenchimento das declarações de prejuízo e para prestação de informações.

Todos estes pontos complementam a disponibilidade da DRAP/Algarve nas suas próprias instalações, no Patacão, em Faro, e também na delegação do Barlavento, em Parchal (Lagoa), onde os agricultores poderão igualmente dirigir-se.

O fogo que lavrou entre os dias 3 e 10 de agosto deflagrou na zona da Perna da Negra, em Monchique, e chegou aos concelhos de Odemira, Silves e Portimão, consumindo um total de cerca de 27 mil hectares.



Comentários

comentários