Jornal diariOnline Região Sul. O seu portal de notícias Algarve e Alentejo Portugal

Loulé homenageia doadores e guardiões do património

A Câmara Municipal de Loulé, no âmbito da exposição “LOULÉ: Territórios. Memórias e Identidades” homenageia os doadores e guardiões da identidade de Loulé numa cerimónia este sábado, dia 29 de setembro, pelas 15h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Loulé, inserida nas Jornadas Europeias do Património de 2018, sob o tema “Partilhar Memórias”.

Para além dos homenageados, este momento contará com a presença do presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, do comissário nacional do Ano Europeu do Património Cultural, Guilherme d’Oliveira Martins, e do diretor do Museu Nacional de Arqueologia, António Carvalho.

Integrado na exposição “LOULÉ. Territórios, Memórias, Identidades”, o núcleo Identidades, da autoria de Pedro Barros, regista mais de quarenta “louletanos” singulares, cidadãos anónimos, que têm o seu nome, como sinónimo, o Museu. Todos surpreendem pela singularidade e sensibilidade. Uns porque doaram benemeritamente centenas, se não milhares, de peças arqueológicas que hoje fazem parte do acervo do Museu Municipal de Loulé. Outros porque zelam pelos locais onde ainda existem fragmentos da memória louletana e identidades futuras, alguns dos “donos” de verdadeiras cápsulas do tempo que são os mais de 160 sítios arqueológicos do Concelho de Loulé. Esta informação e este contributo para a criação de conhecimento científico e parte da História de Loulé são essenciais, de outra forma estaria irremediavelmente perdida. A cerimónia pretende homenagear, valorizar, estimar e respeitá-los pelos seus atos, para que outros aprendam com este excecional exemplo de cidadania. De todos eles recebemos pedaços da História local, regional, nacional e todos, todos são Loulé.

Recorde-se que, ainda no âmbito das Jornadas Europeias do Património, o Museu Municipal de Loulé programou outras atividades, nomeadamente: uma caminhada cultural arqueológica no Centro Histórico de Loulé integrada no ciclo “Património ao Luar”, no dia 27 de setembro pelas 21h00, com início na sede do Museu Municipal de Loulé; uma conferência sobre “A escrita do Sudoeste” por um dos comissários da exposição “LOULÉ: Territórios, Memórias e Identidades”, Amílcar Guerra, do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa (UNIARQ), no dia 28 de setembro pelas 18h00, na sala polivalente do Museu Municipal de Loulé; uma edição especial do programa “Famílias no Museu” com a construção do Jogo do Moinho, no dia 30 de setembro pelas 16h00, no Convento do Espírito Santo; e um “Laboratório da Memória” dedicado às “Histórias que vêm do mar” onde se pretende que os quarteirenses nos ajudem a construir as memórias de Quarteira, no dia 1 de outubro pelas 18h00, no Centro Autárquico de Quarteira.

Todas estas atividades são realizadas no âmbito da exposição “LOULÉ. Territórios, Memórias, Identidades”, vista por mais de 230 mil pessoas, e que apresenta mais de 7 mil anos de história do Concelho, revela costumes, hábitos alimentares e a vida quotidiana das várias civilizações que por ali passaram através de peças arqueológicas. A exposição está patente no Museu Nacional de Arqueologia (Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa), de terça-feira a domingo, entre as 10h00 e as 18h00.

“LOULÉ. Territórios, Memórias, Identidades” é, em matéria da Arqueologia, uma espécie de “Portugal em miniatura” que espelha a História de Portugal, da Península Ibérica e da Europa. Um verdadeiro ponto de partida para uma viagem obrigatória até Loulé para descobrir o Concelho e os seus segredos mais bem guardados, como o sítio de Corte João Marques, a escrita do Sudoeste, o Cerro da Vila, o Castelo de Salir e o Centro Histórico da cidade.

“LOULÉ. Territórios, Memórias, Identidades” é o resultado de 15 meses de preparação, 12 comissários científicos e executivos, 40 autores de textos, 1200 bens arqueológicos inventariados, 504 peças expostas, 166 peças restauradas, 154 sítios arqueológicos georreferenciados num sistema de informação geográfica, parceria com 11 instituições, 54 técnicos envolvidos, contributo de mais de 20 profissões, entre tantos outros números.

Esta iniciativa foi galardoada pela Associação Portuguesa de Museologia que distingue o melhor da museologia em Portugal, com os Prémios APOM-2018 (relativos a 2017), nas categorias, de “Melhor Parceria” e de “Melhor Catálogo”, e teve ainda uma Menção Honrosa na área da “Educação e Mediação Cultural”.

É uma exposição criada de forma integrada para a valorização de um território e do seu património cultural, promovendo o reforço de uma identidade junto das suas comunidades.

Trata-se de uma iniciativa conjunta dos Museus Nacional de Arqueologia e Municipal de Loulé, com o apoio da Lusitânia Seguros, da Imprensa Nacional da Casa da Moeda e do 365 Algarve.

As Jornadas Europeias do Património são uma iniciativa anual que pretende sensibilizar os cidadãos da Europa para a valorização do Património, sob coordenação, programação e divulgação da DGPC, contempla mais de 1200 iniciativas que decorrerão em cerca de 181 concelhos com o envolvimento de mais de 600 entidades públicas e privadas.

O Ano Europeu do Património Cultural, com o lema “Património: onde o passado encontra o futuro”, tem como objetivo a promoção da diversidade e do diálogo interculturais e da coesão social, pretendendo assim chamar a atenção para o papel da cultura e do património no desenvolvimento social e económico na Europa e nas suas relações externas, mas também motivar os cidadãos para os valores comuns europeus. Portugal é o país com mais iniciativas inscritas na programação oficial. Prova inequívoca da total adesão das instituições, e suas equipas, da Administração Central, Regional e Local, bem como organizações privadas e associativas.


Exit mobile version