CONSULTÓRIO DECO: “Contas poupança-habitação”

É certo que os anos de ouro já lá vão, mas, se está a pensar comprar casa no prazo de, pelo menos, um ano, abrir uma conta poupança-habitação pode não ser má ideia.

Ainda que seja um produto em declínio, poderá ajudá-lo a poupar no momento em que concretizar a compra do imóvel. Nesta altura, terá de fazer face a um sem-número de despesas: impostos, seguros, escritura e registo, a que terá de juntar a entrada inicial e as comissões bancárias, se tiver de contratar crédito à habitação. Com uma conta poupança-habitação subscrita há, pelo menos, um ano, obtém uma redução nos encargos notariais e no registo predial.

Pub

Contas feitas, são 200€ a menos, se recorrer ao serviço Casa Pronta, que permite tratar de todas as formalidades num único balcão, a um preço mais baixo.

Quando foram criadas, estas contas tinham como objetivo incentivar as famílias a poupar para a compra de casa. E faziam-no com argumentos de peso: uma generosa taxa de juro e, principalmente, benefícios fiscais.

No entanto, em 2005 foram eliminados os benefícios fiscais associados a esta conta – a sua principal vantagem – e desde então este produto perdeu a sua popularidade.

Voltamos a frisar: o desconto no notário e no registo é o único motivo pelo qual vale a pena manter uma conta desta natureza. Por isso, se já comprou casa e ainda é titular de uma conta deste tipo, pode sempre usá-la para amortizar o seu crédito, cujos juros serão, muito provavelmente, superiores ao que recebe nesse depósito. Esta estratégia vai ajudá-lo a reduzir a prestação, sobretudo porque a subida das taxas de juro poderá acontecer num futuro próximo.

Pub

Se não estiver a pagar um crédito à habitação, mas mantiver uma conta deste género, só há uma coisa a fazer: resgatá-la, de preferência na data de renovação (para não ser penalizado nos juros), e procurar alternativas mais rentáveis para aplicar as suas poupanças.



Pub
Mais em Consultório do Consumidor
A DECO INFORMA: “ALIMENTAR SEM DESPERDIÇAR – dicas para evitar desperdício em casa”

As perdas relacionadas com o desperdício alimentar representam um forte impacto ambiental, económico e social, pelo que é essencial

E se o bem é expedido, ainda que não pedido, será que o preço é devido ?

E há quem caia na “esparrela” e entenda pagar, satisfazendo a pretensão do fornecedor. E por pruridos outros que não cabe analisar na

A DECO INFORMA: “Pirataria, contrafação e impactos na economia”

Vivemos num mundo global que, apesar de ser cada vez mais tecnológico, continua a registar enormes disparidades sociais, culturais,

WORTEN: mas que “despautério”!

Das Condições Gerais dos Contratos  oferecidas em geral à massa de consumidores pela WORTEN, S.A., consta do § 2.º – cláusula 13 -, sob a