Jornal diariOnline Região Sul. O seu portal de notícias Algarve e Alentejo Portugal

Deputados do BE e do PCP questionam governo sobre Maternidades algarvias

Os grupos parlamentares do BE e do PCP questionaram esta semana o Ministério da Saúde sobre a carência de médicos pediatras nos hospitais algarvios, reclamando medidas urgentes para ultrapassar a situação.

Nas últimas semanas, foram públicos os problemas dos serviços de Neonatologia do Hospital de Faro e do Hospital de Portimão, ambos geridos pelo Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) e sem capacidade para dar resposta aos bebés prematuros devido à falta de profissionais.

No passado fim de semana, uma grávida de 28 semanas teve de ser transferida de Portimão para Évora, já que a maternidade do Hospital de Faro não dispunha de especialistas.

No seu requerimento, os deputados João Vasconcelos e Moisés Ferreira, do BE, sublinham que a maternidade do Hospital de Faro “terá entrado em rutura e está sem capacidade” para receber prematuros transferidos de Portimão, onde os serviços se encontram fechados temporariamente por falta de médicos para assegurar as escalas.

Os bloquistas frisam que o serviço de obstetrícia no Hospital de Faro tem apenas seis médicos com menos de 55 anos, “o que não chega para fazer urgência num só dia”, necessitando de oito especialistas.

O BE diz que a situação será agravada pelo encerramento da maternidade do Hospital de Portimão durante 33 dias no verão: 11 dias no mês de julho, dez dias no mês de agosto e 12 dias em setembro.

“Trata-se de uma situação muito grave e inaceitável, o que se vive no seio do CHUA”, sublinham João Vasconcelos e Moisés Ferreira no seu requerimento, pedindo soluções “urgentes” para as carências atuais.

Por seu lado, os deputados do PCP, Paulo Sá e Carla Cruz falam de “situações que não deveriam estar a ocorrer, exigindo-se da parte do governo medidas céleres e decisivas”.

O Ministério da Saúde, prosseguem, deve “garantir que as maternidades dos hospitais de Faro e de Portimão possam funcionar normalmente, dispondo para o efeito de um número adequado de médicos especialistas”.



Exit mobile version