Jornal diariOnline Região Sul. O seu portal de notícias Algarve e Alentejo Portugal

PAN quer praias para cães no Algarve

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza vai pedir à Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) que sejam indicadas, para já, pelo menos duas praias na região para as quais as famílias possam levar os seus animais de companhia.

“Todos os anos o nosso país vê-se defrontado com uma taxa muito elevada de abandono de cães, sendo o verão a estação do ano em que os números registados são mais dramáticos. Apesar de não haver lugar para qualquer tipo de justificação para este ato, as dificuldades sentidas pelas famílias em se fazerem acompanhar dos seus animais de companhia durante o período de férias tende a estar na base do problema”, considera a comissão distrital do partido.

A impossibilidade de os animais de companhia frequentarem as praias ocorre mesmo quando estas não são concessionadas ou quando não possuem qualquer sinalética a restringir a sua presença, segundo o Plano de Ordenamento da Orla Costeira entre Vilamoura e Vila Real de Santo António.

O PAN/Algarve pediu o “agendamento urgente” de uma reunião com a AMAL, onde vai exigir que o organismo indique duas praias, no sotavento e no barlavento, em que as famílias se possam fazer acompanhar dos seus animais de companhia.

“As famílias querem fazer-se acompanhar do seu animal de estimação durante as férias, sem a preocupação de como este reagirá na ausência dos donos – e sabemos que muitos deixam de comer e adoecem –, desfrutando em pleno do momento de lazer em família, humana e não humana”, assegurou, em comunicado, Susana Santos, membro da comissão política distrital.

O setor do turismo é o mais decisivo para a economia local e, de acordo com o PAN, o facto de os visitantes se poderem fazer acompanhar dos seus animais “é um fator positivo a satisfação dos mesmos e para a região algarvia”.

O partido entende que o “crescente número de mensagens de cidadãs e cidadãos a denunciar esta situação são reflexo da profunda insatisfação sentida”, por habitantes e visitantes, “tendo muitos deles afirmado que irão escolher outro destino para o próximo ano, dada a intolerância que têm sentido”.



Exit mobile version