Jornal diariOnline Região Sul. O seu portal de notícias Algarve e Alentejo Portugal

PSD teme que fecho de base da Ryanair em Faro abra caminho à perda de rotas

(Foto de Arquivo)

O deputado social-democrata Cristóvão Norte e o PSD/Faro lamentaram hoje o possível fecho da base da Ryanair no Aeroporto de Faro, considerando que se trata de um primeiro passo para a possível perda de rotas.

“Se o «Brexit» vier a ter lugar, pode culminar na perda de muitas rotas do mercado britânico em razão da perda de valor da libra. Este foi só o primeiro passo e uma das razões para que seja Faro das primeiras a cair são essas perspectivas sombrias”, referiu, em comunicado, o parlamentar, cabeça de lista do PSD pelo Algarve às próximas Legislativas.

Como a Ryanair tem cerca de 30% da quota de mercado do Aeroporto de Faro, o PSD/Faro teme que a companhia “acabe por reduzir o tráfego aéreo, sobretudo na época baixa, o que representa um duro revés no combate à sazonalidade”.

A intenção da Ryanair de proceder ao fecho da base no Aeroporto de Faro, levando à dispensa de mais de 100 trabalhadores, foi anunciada ontem, por uma dirigente do Sindicato do Pessoal de Voo.

Cristóvão Norte, deputado do PSD, assinala que se trata de “um rombo no Algarve” e “uma péssima notícia” para a região, “que persiste na dependência de dois ou três operadores de grande dimensão que quando nos viram as costas provocam verdadeiros terramotos económicos e sociais”.

O deputado algarvio sublinha que, com o «Brexit» no radar há mais de três anos, “muito pouco se fez” para transformar uma economia “baseada num sector importante, mas que não pode ser o único a puxar a região”.

O parlamentar do PSD lembra que a empresa instalou a sua base no Aeroporto de Faro com apoio do estado. “Importa conhecer em detalhe os acordos celebrados entre o Estado e a empresa para verificar se alguma cláusula não está a ser cumprida e se, no presente quadro, a legislação laboral é cumprida, de modo a que os funcionários sejam o menos prejudicados possível”.

Para o PSD/Faro, a quebra do mercado inglês e as perspectivas “cada vez mais sombrias” relativamente à resolução do «Brexit» impunham “medidas enérgicas” do governo e das entidades que têm como missão a promoção do Algarve em mercados alternativos.

“O que tem sido feito pelas duas entidades regionais com essa incumbência – RTA e ATA? Qual a estratégia? Para quando o reforço orçamental destas entidades, dotando-as dos meios adequados e da competência para desempenhar esta tarefa com maior eficácia?”, questionam os sociais-democratas, em comunicado.

O PSD/Faro frisa também que outro “fator decisivo parece ser o longo e encarniçado conflito laboral que opõe a companhia e os sindicatos de trabalhadores”, questionando-se sobre as medidas tomadas pelo governo sobre a matéria.



Exit mobile version