CONSULTÓRIO DECO: “Cuidados a ter quando realiza reservas para alojamento local através de uma plataforma”

Não há como negar: as plataformas de reservas são um instrumento que veio facilitar a marcação de alojamento para férias. Ainda que recorra a uma determinada plataforma, convém sempre fazer a pesquisa noutros sites, já que os preços para a mesma oferta podem ser diferentes. Verifique também junto do estabelecimento (no site ou por telefone) se está a pagar o melhor preço.

Para evitar dissabores, antes de concluir qualquer reserva, leia atentamente a política de cancelamento, não apenas da plataforma, mas também do próprio anúncio, já que as condições podem variar de umas ofertas para outras. Algumas plataformas permitem que os anfitriões escolham entre diferentes políticas de cancelamento, que podem ser mais ou menos restritivas.

Pub

No caso de reservas não reembolsáveis, normalmente com tarifas mais atrativas, o valor é imediatamente debitado da sua conta. Mesmo que tenha de cancelar, esse montante não lhe será devolvido. Como tal, tenha sempre isso em mente quando fizer reservas nesta modalidade.

Dependendo do valor e do destino, pode ser preferível optar por uma tarifa mais elevada, ficando com a possibilidade de cancelar, se necessário. Se marcar diretamente com o alojamento, desde que tenha confirmado a compra ou feito o pagamento do sinal ou da totalidade da reserva, também fica vinculado ao contrato. Caso pretenda anular ou modificar a reserva, terá de suportar os custos eventualmente previstos.

O lado prático das plataformas é ensombrado pelas dificuldades que os consumidores encontram quando pretendem solucionar um problema. Além de rejeitarem qualquer responsabilidade no que se refere à relação contratual entre o hóspede e o anfitrião, na eventualidade de um conflito entre a plataforma e o consumidor, os instrumentos que este tem à sua disposição para gerir a situação são limitados. Em caso de conflito com um anfitrião em território nacional, deve solicitar o livro de reclamações, ferramenta que os proprietários estão obrigados a disponibilizar, podendo ainda apresentar queixa à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (o site disponibiliza formulários específicos).

Informe-se sobre os seus direitos e caso tenha questões sobre este assunto, pode sempre contactar a nossa delegação na Rua Dr. Coelho de Carvalho, n.º 1C, em Faro ou no endereço electrónico: deco.algarve@deco.pt

Pub



Pub
Mais em Consultório do Consumidor
A DECO INFORMA: “ALIMENTAR SEM DESPERDIÇAR – dicas para evitar desperdício em casa”

As perdas relacionadas com o desperdício alimentar representam um forte impacto ambiental, económico e social, pelo que é essencial

E se o bem é expedido, ainda que não pedido, será que o preço é devido ?

E há quem caia na “esparrela” e entenda pagar, satisfazendo a pretensão do fornecedor. E por pruridos outros que não cabe analisar na

A DECO INFORMA: “Pirataria, contrafação e impactos na economia”

Vivemos num mundo global que, apesar de ser cada vez mais tecnológico, continua a registar enormes disparidades sociais, culturais,

WORTEN: mas que “despautério”!

Das Condições Gerais dos Contratos  oferecidas em geral à massa de consumidores pela WORTEN, S.A., consta do § 2.º – cláusula 13 -, sob a