O que esperar dos Reis Magos?

Que tragam aos consumidores, nos seus alforges, um ror de presentes para 2020.

Poucas, mas condensadas leis, para que melhor se saiba em que lei se vive.

Instituições que formem, informem e protejam.

Pub

De modo consequente, sistemático, ajustado às exigências do dia-a-dia.

Concretizando:

. EDIFÍCIO LEGISLATIVO: “legislar menos, legislar melhor”

I.I. Código de Contratos de Consumo

Pub

I.III. Código Penal do Consumo

I.V. Código de Processo Colectivo

I.VII. Código da Comunicação Comercial (revisão)

I.VIII. Estatuto das Associações de Consumidores

I.IX. Fundo de Apoio às Instituições de Consumidores (revisão)

Pub

II. INSTITUIÇÕES: NÍVEIS NACIONAL, REGIONAL E MUNICIPAL

II.I. Criação do Provedor do Consumidor

II.II. Uma antena nas Comissões de Coordenação Regional e Desenvolvimento

II.III. Criação genérica de Serviços Municipais de Consumo, com um leque de atribuições e competências ampliado

II.IV. Criação dos Conselhos Municipais de Consumo, tal como o prevê a LDC

I.V. Recriação do Conselho Nacional do Consumo

II.VI. Criação de um Conselho Nacional das Cláusulas Abusivas

II.VII. Criação de um Conselho Nacional de Crédito ao Consumo (com uma valência no capítulo do excessivo endividamento do consumidor)

II.VIII. Recriação do Registo Nacional das Cláusulas Abusivas

II.IX. Criação de um Conselho de Auto-Regulação da Segurança Alimentar

II.X. Recriação do Conselho Nacional de Segurança do Consumo

II.XI. Criação de um Conselho Nacional da Comunicação Comercial

III. EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA O CONSUMO

III.I. Concretização do Programa Geral plasmado no artigo 6.º da LDC – Lei de Defesa do Consumidor

III.II. Definição nacional de um programa de Formação de Formadores

III.III. Adequação dos programas dos diferentes ramos e graus de ensino – de modo transversal – às exigências do figurino da educação para o consumo

III.IV. Definição de Programas de Formação para o Consumo para Consumidores Seniores e para Instituições de Formação de Adultos

III.V. Definição de Programas de Formação para o Consumo dirigidos a Empresários

III.VI. Definição de Programas de Formação para a Higiene e Segurança Alimentar

III.VII. Inserção do Direito do Consumo nos curricula do ensino superior e nos dos últimos anos do ensino secundário

III.VIII. Inserção do Direito do Consumo no curriculum do Centro de Estudos Judiciários

IV. INFORMAÇÃO PARA O CONSUMO

IV.I. Concretização dos comandos do artigo 7.º da LDC – Lei de Defesa do Consumidor – em matéria de informação ao consumidor

IV.II. Programas de Informação ao Consumidor no Serviço Público de Radiodifusão Áudio e Audiovisual

IV.III. Campanhas institucionais de informação sempre que novos diplomas legais se editem, em obediência aos sucessivos comandos das Directivas Europeias

IV.IV. Edição de manuais explicativos dos direitos em vista da sua difusão pelas escolas e pela comunidade em geral

V. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR: A ESCRUPULOSA GARANTIA DA LEGALIDADE

Pub

V.I. Sistemático expurgo do ordenamento jurídico de leis inúteis, excrescentes, sobrepostas, de molde a reduzir o acervo normativo, para além da codificação, aliás, já aventada, de base compilatória, do regime jurídico dos contratos de consumo

V.II. Instauração sistemática de acções colectivas – populares e inibitórias, conforme a lei – pelas entidades públicas dotadas de legitimidade processual sempre que em causa a preservação ou a tutela de interesses individuais homogéneos, colectivos e difusos

VI. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR: VIAS ALTERNATIVAS DE RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS

VI.I. Reflexão em torno das sobreposições tribunais arbitrais/julgados de paz

VI.II. Definição de um só modelo: os actuais tribunais arbitrais como julgados especializados (?) com competência ampliada em razão do valor

VI.III. Prover à ocupação do território de estruturas do jaez destas de molde a proporcionar a todos os consumidores o acesso à justiça em condições simétricas

(ao menos, 1 em cada um dos distritos administrativos.)

Aos cuidados do Secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Torres.

Atento, venerador e obrigado,

* apDC – DIREITO DO CONSUMO - Coimbra



Pub
Mais em Consultório do Consumidor
O assédio como prática negocial: O assédio é ilícito de mera ordenação social, o assédio é crime!

Assédio é, pode afirmar-se com segurança, no plano legal, “toda e qualquer situação em que ocorra um comportamento indesejado, relacionado

A DECO INFORMA: “ALIMENTAR SEM DESPERDIÇAR – dicas para evitar desperdício em casa”

As perdas relacionadas com o desperdício alimentar representam um forte impacto ambiental, económico e social, pelo que é essencial

E se o bem é expedido, ainda que não pedido, será que o preço é devido ?

E há quem caia na “esparrela” e entenda pagar, satisfazendo a pretensão do fornecedor. E por pruridos outros que não cabe analisar na

A DECO INFORMA: “Pirataria, contrafação e impactos na economia”

Vivemos num mundo global que, apesar de ser cada vez mais tecnológico, continua a registar enormes disparidades sociais, culturais,