Facebook reforça quadro de ferramentas com ‘Comunidade de Ajuda’

A rede social Facebook anunciou hoje a ativação de um serviço de entreajuda, batizada de 'Comunidade de Ajuda', no seu Centro de informação sobre a covid-19, onde os utilizadores podem informar-se sobre a pandemia, ou pedir ajuda - lê-se na notícia esta noite publicada pela agência Lusa citando a France Press.
Nesta secção podemos já encontrar solicitações e propostas ligadas à crise sanitária e económica.
Existem utilizadores particulares que se oferecem para fazer compras para as pessoas mais vulneráveis e que preferem não sair de casa, assim como associações que procuram voluntários para ajudar nas refeições aos sem-abrigo.

O objetivo passa por facilitar a troca de contactos e ações num raio de 80 a 100 quilómetros, cujo raio de ação pode ser definido pelos utilizadores.
Para além deste suporte, poderão também fazer-se doações a instituições locais ou internacionais, como por exemplo a fundação das Nações Unidas e a Organização Mundial da Saúde. Neste campo, o Facebook prometeu já uma ajuda de 20 milhões de dólares (cerca de 18 milhões de euros).

Pub

“Estamos a trabalhar há duas semanas nesta funcionalidade”, afirmou hoje Fidji Simo, responsável pela aplicação, à agência de notícias France Press (AFP).
Neste momento, quase metade da população mundial é convidada a ficar em casa com o intuito de travar a propagação da covid-19, sendo que o volume de utilização das plataformas de chamadas de áudio e vídeo via 'WhatsApp' e 'Messenger' aumentou exponencialmente, refere a notícia da Lusa.

Este gigante da tecnologia encontra-se assim no centro da crise, com a responsabilidade de assegurar aos utilizadores as funcionalidades habituais e suplementares, lutando sempre contra a desinformação, apesar das limitações, uma vez que os seus colaboradores estão em teletrabalho e as receita publicitárias estão em queda.
Esta 'Comunidade de Ajuda' vai ser disponibilizada nos próximos dias aos residentes nos Estados Unidos da América e nas próximas semanas a todos os países.

Já em 2016 tinha sido lançada uma medida idêntica para responder às necessidades face a algumas catástrofes naturais, como os incêndios na Austrália.
O 'Centro de Informações Covid-19' do Facebook foi implantado em cerca de 30 países.
"Nesta fase, conectamos mais de mil milhões de pessoas com recurso das autoridades de saúde por meio do nosso Centro de Informações e janelas 'pop-up' educacionais no Facebook e Instagram", disse a rede social, sustentando que mais de 100 milhões dessas pessoas clicaram nos 'links' para obter mais informação.

Saliente-se que o novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 828 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41 mil.
Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.
Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Pub



Pub
Mais em Internacional
EUA confirmam primeiro caso de varíola do macaco em 2022

Sintomas da doença incluem febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, calafrios e…

Portugal recebe cabo da Google que liga Europa a África

Portugal recebeu um cabo submarino de fibra óptica de última geração da Google que liga…

António Costa visita esta semana Roménia, Polónia e Ucrânia

O primeiro-ministro António Costa, vai aproveitar a viagem que realiza esta semana à Roménia e…

Queda do avião chinês com 132 pessoas a bordo foi propositada

Dados da investigação sobre a queda do Boeing 737-800 da China Eastern Airlines mostram que…