Jornal diariOnline Região Sul. O seu portal de notícias Algarve e Alentejo Portugal

Noruega e Alemanha doaram R$ 3,4 biliões de reais para o “Fundo Amazónia”

Foto: Agência Brasil - Petrônio Duarte Cançado

Os dois países  no ano passado suspenderam comparticipações

A Noruega e a Alemanha já doaram R$ 3,4 biliões de reais para o "Fundo Amazónia", criado em 2008. A informação foi divulgada esta segunda feira (26) pelo representante do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que participou numa audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com a notícia da Agência Brasil, citando Petrônio Duarte Cançado, diretor do banco BNDES, que é o gestor do fundo, 93,8% do total dos recursos foram enviados pela Noruega, 5,7% pela Alemanha e 0,5% foram injetados pela Petrobras.

Durante a audiência, o diretor do BNDES explicou que a instituição financeira faz a captação dos recursos, aprova os projetos e é responsável pela conferência da prestação de contas dos projetos que recebem os recursos.

“Todos os projetos possuem indicadores e metas pactuadas previamente. Uma vez realizado o processo de desembolso, elas são analisadas sistematicamente, e o fundo como um todo. Temos uma apreço muito grande por medir a efetividade das ações e divulgar todas as informações e resultados aferidos ao longo do tempo”, disse.

Desde sexta-feira (23), segundo a Agência Brasil, que o Supremo realiza uma audiência pública, convocada pela ministra Rosa Weber, para colher informações sobre esta questão. A ministra é relatora de uma ação protocolada por partidos de oposição, que alegam suposta omissão no gerenciamento do fundo.

Criado em 2008, o fundo recebe doações de instituições e governos internacionais para financiar ações de prevenção e combate ao desmatamento na Amazónia Legal. No ano passado, a Alemanha e a Noruega suspenderam os donativos para novos projetos por não concordarem com as sugestões de mudanças feitas governo brasileiro.

No primeiro dia da audiência, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu a reformulação do fundo - lê-se na notícia.



Exit mobile version