Foto de arquivo (diariOnline Região Sul)

Covid-19: Perdas da Ryanair podem passar dos 1.000 ME

A Ryanair anunciou hoje que registou prejuízos líquidos de 307 milhões de euros no terceiro trimestre fiscal, entre outubro e dezembro de 2020, contra um lucro de 88 milhões de euros no mesmo período de 2019.

A companhia aérea irlandesa de baixo custo, com sede em Dublin, segundo a notícia veiculada pela Agência Lusa,  enfrenta o ano "mais difícil" da sua história, devido à pandemia da covid-19, e que as perdas podem aproximar-se dos 1.000 milhões de euros neste período fiscal, que termina em 31 de março próximo.

A Ryanair informou hoje num comunicado a que a Lusa teve acesso, que as suas receitas caíram 82% face ao terceiro trimestre de 2019, para 340 milhões de euros, enquanto que os custos operacionais foram de 670 milhões de euros, menos 63%.

Pub

A companhia aérea recordou também que as restrições impostas às viagens aéreas devido à pandemia tiveram um forte impacto na procura de bilhetes e o seu tráfego de passageiros diminuiu 78% para 8,1 milhões de passageiros.

"Tal como anunciámos em 07 de janeiro, a Ryanair prevê que os últimos confinamentos e a introdução do requisito dos testes de covid-19 conduzirão a uma redução do calendário de voos e do tráfego até à Páscoa. A previsão de tráfego para todo o ano situa-se entre 26 e 30 milhões de passageiros", afirma a empresa no comunicado divulgado pela Lusa.

A empresa insistiu que a crise sanitária continua a "causar estragos no setor", pelo que prevê que as perdas durante este ano fiscal se situem entre 850 e 950 milhões de euros.

"Este exercício financeiro de 2021 continuará a ser o mais difícil dos 35 anos de história da Ryanair", sublinhou a companhia aérea irlandesa no comunicado.

Contudo, afirmou que após "a crise da covid-19" e dos "programas de vacinação", a empresa terá "custos base muito inferiores" e um "balanço mais sólido" do que os seus concorrentes.

"Isto permitir-nos-á financiar bilhetes mais baratos e incorporar aeronaves de menor custo para aproveitar as muitas oportunidades de crescimento que estarão disponíveis em todos os mercados europeus, especialmente onde as companhias aéreas rivais reduziram substancialmente a sua capacidade ou falharam", acrescentou a Ryanair.

Por seu turno, uma notícia publicada pela agência Reuters, a companhia irlandesa toma em consideração que o tráfego provavelmente será de 20-25% dos níveis pré-pandémicos entre abril e junho, aumentando para 50-70% entre julho e setembro, dependendo do sucesso do programa de vacinas da União Europeia, disse O'Leary, com tráfego de inverno potencialmente em 75-100%.

Pub

“Estamos um tanto nas mãos dos deuses”, reconheceu, acrescentando que a companhia aérea pode transportar entre 80 milhões e 120 milhões de passageiros no próximo exercício financeiro, em comparação com os 150 milhões no ano anterior ao COVID-19.

A Ryanair, refere a Reuters, é amplamente vista como uma das companhias aéreas com melhor posição para enfrentar a crise do COVID-19, graças ao seu grande saldo de caixa e à falta de voos de longo curso e em classe executiva.



Pub
Mais em Internacional
Brasil: fim do estado de emergência em saúde pública Covid-19

Chegou ao fim, neste domingo (22), o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN),…

Brasileiro encontrado morto com abraçadeiras no pescoço

O corpo do brasileiro, natural de Minas Gerais, foi encontrado na região de Cabo da…

Manto de neve cobre parte do sul do Brasil

Um manto de neve cobriu partes do estado de Santa Catarina no sul do Brasil que desde há alguns dias enfrenta uma invulgar vaga de frio

Portugal apoia Polónia com € 50 milhões em produtos e materiais

António Costa anunciou doação no valor de 50 milhões de euros, desde casas pré fabricadas até produtos farmacêuticos.