Israel já vacinou mais de 50% da população | EFE/EPA/ABIR SULTAN

Israel reabre bares e restaurantes, com vantagem para vacinados

Abrandamento de restrições devolvem normalidade parcial à vida no país, com mais de 50 por cento da população já imunizada.

Israel deu neste domingo, 7 de março, o passo mais importante da sua pós-vacinação, com a reabertura de cafés, bares e restaurantes, o relaxamento de restrições e o anúncio do retorno às salas de aula nas universidades, entre outras medidas, priorizando os imunizados contra o coronavírus.

Esta reportagem, publicada pelo portal R7, descreve que mais de 50% da população de Israel já está inoculada com pelo menos a primeira dose da vacina, os restaurantes poderão receber clientes que apresentem o chamado "passe verde", concedido a quem se recuperou da covid-19 ou recebeu a segunda dose, pelo menos há uma semana atrás.

Pub

A ocupação não pode ultrapassar 75% e aqueles que não apresentarem o certificado necessário para entrarem no estabelecimento, ainda assim podem sentar-se nas mesas ao ar livre.

A partir deste domingo, também estão autorizados a funcionar os salões de eventos culturais, que não devem ultrapassar 50% da sua capacidade e só podem ser frequentados ​​por quem tiver o "passe verde" e numa percentagem limitada de pessoas que apresentem exames negativos para o coronavírus.

 

Aulas e locais de culto voltam a funcionar

Além dos estudantes universitários, os alunos de 11 a 14 anos que frequentam escolas nas cidades do país classificadas como verdes ou amarelas também poderão retornar às aulas, com base nas suas baixas taxas de infeção e vacinação, enquanto que os estudantes de instituições religiosas somente poderão voltar às aulas, se tiverem o "passe verde".

Os locais de culto também podem receber os seus fiéis, desde que apresentem o referido certificado, embora também em quantidades limitadas.

Pub

De acordo com o artigo publicado pelo portal R7, aqueles que aceitarem receber pessoas que não possuem o passe verde terão limites mais rígidos e não poderão acomodar mais de 20 pessoas em ambientes internos e 50 em espaços externos.

Estádios e auditórios terão capacidade para receber grande número de pessoas, com limites entre 500 e 1.500, dependendo da sua capacidade, conforme se trate de espaços a céu aberto ou fechados.

Aeroporto Internacional Ben Gurion volta a operar devidamente regulamentado

Finalmente, os novos regulamentos também se estendem à entrada e saída de passageiros pelo Aeroporto Internacional Ben Gurion, que tem estado a operar de forma muito limitada desde o final de janeiro, podendo receber até 1.000 cidadãos israelitas por dia a partir de hoje, um número que nos próximos dias deverá aumentar para 3.000.

Dessa forma, de acordo com o portal R7, Israel elimina quase completamente as restrições implementadas durante o terceiro bloqueio, que durou seis semanas desde o final de dezembro e vem diminuindo lentamente desde meados de fevereiro.

A campanha de vacinação rápida do país, com quase 5 milhões de pessoas inoculadas com a primeira dose da vacina da Pfizer e quase 4 milhões também com a segunda, foi essencial para o avanço da desaceleração.

Pub

Nas últimas semanas, Israel, com pouco mais de 9 milhões de habitantes, registou uma queda acentuada no número de infeções e pacientes em estado grave, e atualmente tem pouco mais de 40 mil casos ainda ativos, de um total de 800 mil identificados desde o início de a pandemia.



Pub
Mais em Internacional
Brasil: fim do estado de emergência em saúde pública Covid-19

Chegou ao fim, neste domingo (22), o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN),…

Brasileiro encontrado morto com abraçadeiras no pescoço

O corpo do brasileiro, natural de Minas Gerais, foi encontrado na região de Cabo da…

Manto de neve cobre parte do sul do Brasil

Um manto de neve cobriu partes do estado de Santa Catarina no sul do Brasil que desde há alguns dias enfrenta uma invulgar vaga de frio

Portugal apoia Polónia com € 50 milhões em produtos e materiais

António Costa anunciou doação no valor de 50 milhões de euros, desde casas pré fabricadas até produtos farmacêuticos.