Reabilitar antiga Estação Salva-Vidas da Fuseta vai custar 750 mil euros

O presidente da Câmara Municipal de Olhão anunciou ontem que a reabilitação estrutural da antiga Estação Salva-Vidas da Fuseta, em risco de ruína/colapso parcial, deverá envolver um investimento de 750 mil euros.

A revelação surge após a conclusão da primeira fase do plano de reabilitação da estrutura levado a cabo pela autarquia olhanense – embora o edifício seja propriedade da Marinha –, que passou pela avaliação do seu estado de conservação estrutural e construtivo.

Pub

A equipa constituída pela Universidade do Algarve (incluiu o arquiteto Miguel Reimão Costa, mestre em Património Histórico, o arquiteto e especialista em reabilitação e restauro José Aguiar e António Sousa Gago, diretor do Laboratório de Estruturas e Resistência de Materiais do Instituto Superior Técnico) concluiu que, do ponto de vista estrutural, tendo em conta a profundidade e a extensão da degradação, “o edifício se encontra em risco de ruína/colapso parcial, sendo recomendável impedir de imediato o acesso ao seu interior e plataformas bem como, e sobretudo, à parte inferior do edifício”.

Existem condições para reabilitar estruturalmente o edifício

De acordo com os consultores técnicos e projetista, avançou o presidente da Câmara de Olhão, António Miguel Pina, em comunicado divulgado na página de Facebook da autarquia, “existem condições técnicas e materiais para reabilitar estruturalmente o edifício”, o que terá um custo de cerca de 750 mil euros.

Neste momento, acrescenta o autarca olhanense, está a ser preparada a segunda fase do plano, que passa pela adjudicação do projeto de execução da reabilitação do edifício.

Recorde-se, a autarquia assumiu, no ano passado, a responsabilidade de reabilitar este “edifício icónico” da vila da Fuseta e do concelho.

Pub

“Dado o valor material e imaterial do Salva-Vidas e relação histórica e afetiva com a população da Fuseta e de todos quantos por esse mundo fora se deslumbraram ao conhecê-lo, entendeu o município levar a cabo uma intervenção de reabilitação estrutural do edifício, dotando o mesmo das mais avançadas técnicas construtivas que permitam a sua perpetuação”, assinala António Miguel Pina, recordando que as manutenções regulares não impediram o processo de corrosão progressivo ao nível da sua estrutura de betão armado e que a deterioração dos betões por corrosão das armaduras, neste ambiente, é um processo natural ao longo dos seus 50 anos de existência.

O município compromete-se a “priorizar e agilizar” os procedimentos administrativos necessários, “dentro, obviamente, das possibilidades legais do processo”, no sentido de acelerar o projeto.



Pub
Mais em Sociedade
Algarve
Pensar o Algarve 2030 ausculta populações do interior

As sessões de auscultação da população sobre «Pensar o Algarve 2030 – Estratégias para o interior», promovidas pela Associação In Loco,

Farol
Ilha do Farol é um dos “tesouros escondidos” na Europa

A Ilha do Farol, no concelho de Faro, foi nomeada para a lista de 22 “tesouros escondidos” revelada pelo site European Best Destinations

Helena Carreiras
Ministra da Defesa preside à cerimónia militar do Dia da Marinha em Faro no domingo

As celebrações do Dia da Marinha em Faro encerram amanhã, domingo, 22, com especial destaque para a cerimónia militar no jardim Manuel Bivar

Portimão
Semana Intercultural junta comunidades de migrantes de Portimão

A Semana Intercultural de Portimão vai decorrer entre 23 e 29 de maio, sob o mote da diversidade cultural, visando “promover a vivência das