Jornal diariOnline Região Sul. O seu portal de notícias Algarve e Alentejo Portugal

Brasil: Rio Doce vacinou 100% dos adultos e tem um infetado

Foto: Alex de Jesus, in O Tempo

Depois da primeira dose em 100% dos maiores de 18 anos, Rio Doce, na Zona da Mata - Minas Gerais -, hoje só tem uma pessoa infetada e não tem internamentos há 4 meses

A notícia publicada hoje (13) pelo jornal O Tempo Dá-nos uma excelente notícia que pode servir de referência para muitos lugares no mundo.
Quando a sirene da ambulância soou na porta do motorista Jorge Geraldo Borges, 60 anos, ele, que assistia à novela de tarde, prestes a iniciar uma soneca após o almoço, surpreendeu-se. Era a equipa de vacinação que estava à sua porta.

“Vieram me vacinar contra o coronavírus em casa. Imagina se eu tivesse dormindo e não acordasse? Não ia me perdoar, porque a gente que mora em lugar longe de tudo é o último a receber qualquer coisa”, descrevia o Jorge, que vive em Rio Doce, na Zona da Mata mineira.

Na pacata cidade de 2.623 habitantes, distante 115 km de Belo Horizonte, segundo a publicação de O Tempo, todos os adultos já receberam a primeira dose do aguardado imunizante contra a Covid-19, capaz de fazer a pandemia recuar. Muitos, em casa, assim como Jorge Borges, somado agora à estratégia de comunidade totalmente imunizada.

Rio Doce ostenta atualmente a marca de 100% da sua população adulta imunizada com pelo menos a 1ª dose.

Proporcionalmente, é a cidade com a maior aplicação de doses em Minas Gerais, segundo dados informados pelas prefeituras e consolidados pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais.

Sentimento de felicidade vs liberdade

A situação ainda não está normalizada, a população tem que continuar a usar máscara, mas só de poderem deixar os vizinhos entrar em casa um pouquinho, já é "uma alegria" imensa que "acho que eu nunca senti antes na minha vida, porque a gente que mora no interior gosta de ficar com a porta de casa aberta para receber as pessoas. Eu nem sabia que era possível ser feliz de novo”, desabafou à reportagem de O Tempo a dona de casa Lucimar Cesario, 46 anos.

Pelas ruas da cidade, que tem como ponto principal de encontro a praça Helder de Aquino e a Paróquia de Santo António, numa tarde de segunda-feira calorenta, não é difícil encontrar pessoas que partilham o mesmo sentimento. “Se deixar, minha mãe quer ir ao supermercado três vezes ao dia. Tudo desculpa para sair de casa”, revela a dona de casa Cristina Borges, 45 anos, o segredo de sua mãe Maria da Conceição, 72 anos, argumentando: “Eu fiquei trancada este tempo todo, estou descobrindo o que é viver de novo”, comemora a aposentada.

A expectativa do município é de que toda a população adulta da cidade complete o programa de vacinação em setembro, quando a maioria dos moradores já tiver recebido a segunda dose da AstraZeneca. Sem casos de internamento e óbitos há quase quatro meses, a cidade tem atualmente apenas um infetado.

Imunização no país prossegue a bom ritmo

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 17.031 novos casos e 745 novas mortes em 24 horas, até ao início da noite desta segunda-feira (12). O Brasil acumula agora 19.106.971 casos e 534.233 mortes desde o início da pandemia.

Até à manhã desta terça-feira, 31.039.318 pessoas - o equivalente a 14,66% da população geral, que inclui o público não elegível para a vacinação - estão completamente imunizadas no Brasil com as duas doses das vacinas que prevêem esse esquema vacinal (Coronavac, Pfizer e Astrazeneca/Oxford) ou com a dose única da vacina da Janssen.

Por Letícia Fontes,
Enviada especial a Rio Doce - MG



Exit mobile version