Toneladas de madeira ardida em 2018 continuam no terreno

Em 2018, a serra de Monchique foi fustigada pelo fogo. Para trás ficaram mais de 27 mil hectares de floresta ardida.

Passados três anos, continuam no terreno, por recolher, toneladas de madeira queimada.

Um risco acrescido de incêndio, principalmente, com as temperaturas elevadas que se fazem sentir.

Pub

No terreno estarão ainda por recolher perto de 30 mil toneladas de madeira queimada.

A solução para as 30 mil toneladas de madeira têm como base o protocolo assinado entre o município e a Associação dos Produtores Florestais do Barlavento Algarvio

Em declarações à agência Lusa, Rui André, presidente da Câmara municipal de Monchique,  revelou que “5 mil toneladas de madeira já cortada e empilhada ao longo de várias estradas da serra começaram esta semana a ser transportadas para a fábrica de produção de biomassa em Huelva, Espanha, num transporte financiado pela Câmara de Monchique”.

As restantes 30 mil toneladas serão removidas ao abrigo de um protocolo com a Associação dos Produtores Florestais do Barlavento Algarvio (Aspaflobal).

Pub

Ainda de acrodo com as declarações de Rui André, o protocolo deverá ficará efetivado nos próximos dias, possibilitando a resolução da situação.


Pub
Mais em Sociedade
IPDJ
IPDJ comemora 31.º aniversário do Centro de Juventude no Algarve

A Direção Regional do Algarve do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) vai…

Ferrovia
Tertúlia Farense debate papel da ferrovia no Algarve

«O Papel da Ferrovia nas Acessibilidades e Mobilidade no Algarve» é o tema deste mês da Tertúlia Farense, cuja sessão está marcada para

Ministro
Ministro da Administração Interna visita São Brás e Alcoutim

O ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, visita, na próxima segunda-feira, 23, os projetos que estão a ser desenvolvidos no

Aljezur apoia e reforça dispositivo de combate a incêndios rurais

No âmbito do protocolo relativo ao Dispositivo Especial de Combate aos Incêndios Rurais de 2022,…