Hospital Terras do Infante acolhe formação com equipamento de topo na cirurgia robótica

O Hospital Terras do Infante, em Lagos, vai acolher, pela primeira vez, a demonstração do Sistema Cirúrgico Robótico da Vinci Xi, a mais recente evolução tecnológica em cirurgia minimamente invasiva.

Direcionada para profissionais de saúde da área cirúrgica, esta apresentação e ação de formação inédita no Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) decorre entre os dias 21 e 25 de fevereiro, com o objetivo de promover sessões práticas, em modelo endotrainer, para cirurgiões de diferentes especialidades, enfermeiros de bloco operatório e internos de Cirurgia que desejem abordar esta tecnologia.

Pub

Trata-se de uma aposta forte do CHUA “na área da investigação clínica, formação e no contacto com tecnologias em apoio às respostas em saúde”, marcada para um hospital que integra, progressivamente, desde o passado dia 25 de janeiro, a esfera do SNS.

“Esta demonstração é o resultado da forte aposta da nossa instituição de saúde, de cariz universitário, na formação dos nossos profissionais, bem como no estímulo à investigação clínica baseada em tecnologias de topo a nível mundial”, assinala a administração do CHUA.

Especialista ministra formação com prática simulada

Quanto ao modelo da formação, em cada sessão um especialista da Excelência Robótica, empresa ibérica que cede o equipamento e ministra a formação vai explicar e apoiar a prática simulada das características técnicas do sistema robótico da Vinci Xi e das tecnologias avançadas associadas: fluorescência, selagem de vasos, sutura mecânica robótica e simulador virtual.

Cada módulo é dividido em duas partes, uma de simulação virtual para compreender de forma intuitiva o controlo dos comandos na consola e outra parte em modelo endotrainer.

Pub

Equipado com visão 3D de alta definição, instrumentos Endowrist e com um sistema de controlo, simples e intuitivo, que permite ao cirurgião realizar intervenções delicadas, efetuando cirurgias complexas sempre com a garantia de invasão mínima, o sistema robótico da Vinci garante assim uma maior precisão, invasão mínima e segurança na intervenção, traduzindo-se numa dupla vantagem, tanto para o médico como para o doente.

A empresa que representa e comercializa este equipamento em Portugal, a Excelência Robótica, salienta que este inovador sistema robótico “permite uma cirurgia minimamente invasiva que otimiza resultados clínicos em procedimentos cirúrgicos de diversas especialidades, proporcionando também cuidados de saúde mais eficientes”.

“Apresenta vantagens importantes para os pacientes, como uma recuperação mais rápida e regresso à vida quotidiana, melhora a destreza do cirurgião pelo aumento da precisão, pela eliminação do tremor fisiológico e pela grande manobrabilidade para aceder a zonas anatómicas mais difíceis e complexas”, acrescenta.

Estes benefícios já foram demonstrados em cerca de 24.000 publicações científicas, em mais de 8,5 milhões de intervenções realizadas a nível mundial, ao longo de duas décadas e mais de 60.000 na Península Ibérica, desde que o sistema cirúrgico da Vinci foi incorporado como técnica de cirurgia minimamente invasiva em hospitais de Portugal e Espanha.

A cirurgia robótica assistida com da Vinci aplica-se às seguintes especialidades: Cirurgia Geral, Cirurgia Torácica, Urologia, Ginecologia, Cirurgia Pediátrica, Otorrinolaringologia, Cabeça e Pescoço e Cirurgia de Transplantes.

Pub
Pub
Mais em Saúde
Argentina perante o primeiro caso suspeito de varíola dos macacos

Nenhum caso positivo confirmado da doença foi registado na América Latina até ao momento O…

Portugal é o primeiro país a sequenciar genoma do Monkeypox

Vírus está na origem de um recente surto que afeta vários países onde a infeção…

Monkeypox
Novos casos confirmados do vírus Monkeypox chegam ao Algarve

O número de casos confirmados do vírus Monkeypox subiu hoje para 37, distribuídos pelas regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Norte e Algarve,

Testes rápidos voltam a ser comparticipados com receita médica – CNN

Os testes rápidos vão voltar a ser comparticipados nas farmácias com receita médica. De acordo com a portaria n.º 151-B/2022, esta medida